Pular para o conteúdo principal

A Vida está constantemente destruindo você

Calma, vamos entender essa frase antes de sairmos a falar aquilo que achamos que entendemos.

A vida está constantemente destruindo as imagens que você cria de você.

Se você, como a Flávia, se acha um ótimo cozinheiro, com anos de experiência, tão bom que tira fotos e compartilha suas aventuras culinárias e, veja bem, se depara com isso:


Pois bem, você, grande chef recusará esse pão, como sua obra, pois ele não se encaixa na imagem que você construiu para si mesmo. Principalmente depois de ter recebido inúmeros elogios sobre seus pães e desfrutado de algumas horas de devaneio e prazerosa imaginação sobre seus poderes e possibilidades e êxitos na arte de fazer pão.

O pão, este pão acima, fere a imagem que você construiu. 

Então, você pode rastejar na dor da perda da sua imagem, culpar algo ou alguém por sua falha, criar planos mirabolantes de aperfeiçoamento, e etc. Sim, claro que você — ou melhor, a imagem de você — pode criar tudo isso para não morrer, para não ser destruída pela simples realidade do que é. 
Mas será possível vivermos com o fato? O fato de que a Flávia não é uma boa nem uma má "padeira".

Perceba a sutileza de como nos enganamos: atribuímos nossos supostos "êxitos" à nós mesmos, ou melhor, a tal imagem, e sofremos com nossos supostos "fracassos", fracassos, claro, daquela imagem.

Imagine, novamente a Flávia, acumulando em sua memória elogios de sua fantástica "inteligência" até o momento em que essa "inteligência" fracassa. Ela, a Flávia, cultiva essa imagem, e portanto, sente a dor dessa perda como o padeiro orgulhoso de sua técnica sente a dor da sua falha.

Veja bem a que lugar interessante podemos chegar. De um lado vamos usar, correndo o risco de novamente sermos mal compreendidos, a palavra autoestima. Essa palavra, tão positivamente usada é, se formos de fato sinceros, vaidade e orgulho. Afinal, porque a Flávia haveria de sentir algum tipo de estima por si mesma ao fazer um pão? E, aqui pode residir o motivo da nossa queda: ao cultivar uma determinada estima pessoal, não estará nesse movimento, a Flávia, intrinsecamente cultivando do outro lado da moeda, a baixa autoestima? Pois quando o pão falha, a inteligência fracassa, a imagem do espelho não corresponde, pronto, lá estamos nós mergulhados em nossas penas de nós mesmos, lamentando e chorando pela perda de nossos bonecos imaginários de nós mesmos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Introdução Pessoal (um par de frases)

Biografia (limite de 4000 caracteres) 4000 character limit to biography, four thousands characters to describe what Flavia has been done in the past three decades. 4000 characters, and now 169 already have gone, to make la grafia de la vida, the writing of some life, a escritura da vida. A part of course from all the eating, and breathing, and sleeping in bed, what else worthwile speaking about? Since those everyone have been doing, what's then that make Flavia special? What makes her deserve a second look? Don't you know that she asks herself this same question every morning? And, if you're sincere enought in yourself, wouldn't you ask yourself this same question? Or are we all still believing in the very special kids we are, so different from our classmates, that our mama and papa used to tell us? But then, my friend, perhaps you didn't experience this naive shock yet , the one that will shows you undoubtedly that we are not special at all and our biography

A Trajetória da Pregação

Embora gostemos de imaginar que não, todos vivemos através das nossas crenças. Claro que ler isso não será e não é suficiente para que a percepção desse fato lhe venha, ou, dizendo em outras palavras, para que lhe caía a ficha de que você é um crente. Sim, eu sei, é difícil, muito difícil de admitir, principalmente se você baseou toda a sua concepção de vida numa ideia "lógica, racional e cientificamente comprovada". Ou seja, se você lá nos seus primeiros passos refutou a concepção de vida que lhe era ensinada. Mas está é a história da Flávia.  A Flávia, muito certa de suas convicções, questionava os conceitos religiosos e morais do seu meio. Ou seja, ela reagiu aquilo imitando outros conceitos. Embora agrade a vaidade dela, não era nada novo, era apenas imitação. Como ainda continua sendo, mesmo que, repito, gostemos de pensar o oposto. O fato é que não fazemos nada de novo. E a Flávia, como representante da humanidade, trocou uma crença pela outra. Descartou

Eu tomo banho todo dia, mas sabão limpa mesmo por quê?

Você poderia esperar que este texto começasse de outra forma além dessa velha conhecida?: "Ah! Aquela deliciosa sensação de limpeza e frescor, você enrolada numa toalha felpuda pronta para um sono reparador agradecendo à querida saboeira pela trabalho primoroso de unir óleos, álcalis, óleos essenciais aromáticos, te fornecendo tudo isso numa barra de sabão, aquele sabonete que ocupa um espaço (espero) privilegiado no seu banheiro e que você mostra os dentes pro engraçadinho que se atreve a usá-lo sem a sua autorização prévia." Esse post é uma continuação desse  outro  onde foi explicado o que é, de fato, sabão. Mostramos do que ele é composto, como é formado, investigamos suas moléculas, e finalizamos com a pegunta: afinal por que sabão limpa? Veja bem, sabão limpa desde que sua mãe lhe mandava lavar atrás das orelhas e lhe fiscalizava as unhas pra ver se você não tinha apenas lavado os pés pra voltar correndo para brincar no quintal, ou pros seus gibis, ou pro