Pular para o conteúdo principal

enquanto eu me perguntava o que será da minha vida

Senhora, estou com fome me diz uma boca desdentada. 
Uma face negra habitada por olhos desesperados.
Tiraram nossos doces. 

Eu estava na passarela do metro Maracanã. 
De longe vi duas pessoas abordando outras nas ruas. 
Dois seres invisíveis. 
Tão reais,daquela realidade doída, tão crua, tão humana que se prefere não ver.
Ignoramos para não sofrer. 
Sofrer o sofrimento do outro. 

Eu parei.

E ele agradeceu, agradeceu por ter ser escutado, ser visto. 
E essas pessoas falam. 
Todos queremos ser ouvidos, desejamos ser sentidos. 
E eu ali, escutava, sentia.

E doía, claro.

Ele falava na Dilma, no governo, no filho desaparecido, na mulher presa. 
Sonhava com uma casa, dessas do Minha Casa, Minha Vida e uma varanda pra ver o filho brincar. 
Dizia que não conseguia roubar, ia na Lagoa e não roubava pois sabia que existiam boas pessoas lá. 

Boas pessoas, más pessoas.

Enquanto o pêndulo balança de um lado para o outro estaremos em desigualdade. 
Ele falava da nossa diferença de cor, de classe social e eu sentia esse abismo entre nós.

Ele se desculpava por simplesmente ser. 
E eu sentia a culpa. 
Eu pedia perdão por existir. 

Mas como dizer pra ele que não tem governo, não tem Dilma, não tem programa.
Não tem absolutamente nada. 
?
Só esse encontro. Só esse momento. 
Ele me agradecia pelos trocados que eu tirei da carteira recheada de notas. 
E eu tirei uns trocados, aquelas que valiam menos. 

E fui embora.

Me despedi com ele me agradecendo, dizendo que gostaria de me dar algo em troca. 
Eu queria explicar que eu não dei nada, mas recebi tanto. 
Recebi um olhar, sua fala e presença.
Recebi a certeza que sou responsável pelo sofrimento deste mundo.

Você se foi, está na rua, hoje está chovendo. 

E eu aqui, num apartamento da Zona Sul, todas as minhas necessidades materiais satisfeitas e até muito mais. Eu possuo muito mais do que necessito e esses bens me possuem. 
Me possuem tanto que já não sou livre. 
Virei estátua. 
Seca, fria, sem vida no metrô do Maracanã. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Introdução Pessoal (um par de frases)

Biografia (limite de 4000 caracteres) 4000 character limit to biography, four thousands characters to describe what Flavia has been done in the past three decades. 4000 characters, and now 169 already have gone, to make la grafia de la vida, the writing of some life, a escritura da vida. A part of course from all the eating, and breathing, and sleeping in bed, what else worthwile speaking about? Since those everyone have been doing, what's then that make Flavia special? What makes her deserve a second look? Don't you know that she asks herself this same question every morning? And, if you're sincere enought in yourself, wouldn't you ask yourself this same question? Or are we all still believing in the very special kids we are, so different from our classmates, that our mama and papa used to tell us? But then, my friend, perhaps you didn't experience this naive shock yet , the one that will shows you undoubtedly that we are not special at all and our biography

E o que é sabão mesmo, gente? Faltei a aula de Química, todas elas!

A criação sem sabão Se você e eu habitamos o mesmo planeta, ambos, como bons conhecedores dessa terra, sabemos que não existe árvore de sabão. E nem cachoeira, e nem montanhas, e nem hortinha, seja ela orgânica ou o temível, o bicho papão da nossa era, agronegócio. Isso, não significa, claro, para o bom homem capitalis que somos, que não inventamos uma forma de vender "sabão" (mesmo não o sendo) em larga escala e enriquecer nossos bolsos, figurativamente falando, pois hoje dinheiro é algo demodê, e sujo, muito sujo, nojento, infecto, afirma com convicção meu pai bancário aposentado. E convenhamos, ele tem a sua excelência no assunto. Na última, e primeira, viagem que fizemos juntos, deixou de comer um pastel de Belém, ressalto pastel de Belém de Portugal, em Portugal, pois, numa retrospectiva do seu dia, havia, em algum momento, algumas tantas horas antes, tocado em umas moedinhas. Dei-lhe na boca, e lhe omiti, obviamente, a minha própria culpa, pois sou uma boa filha,

Eu tomo banho todo dia, mas sabão limpa mesmo por quê?

Você poderia esperar que este texto começasse de outra forma além dessa velha conhecida?: "Ah! Aquela deliciosa sensação de limpeza e frescor, você enrolada numa toalha felpuda pronta para um sono reparador agradecendo à querida saboeira pela trabalho primoroso de unir óleos, álcalis, óleos essenciais aromáticos, te fornecendo tudo isso numa barra de sabão, aquele sabonete que ocupa um espaço (espero) privilegiado no seu banheiro e que você mostra os dentes pro engraçadinho que se atreve a usá-lo sem a sua autorização prévia." Esse post é uma continuação desse  outro  onde foi explicado o que é, de fato, sabão. Mostramos do que ele é composto, como é formado, investigamos suas moléculas, e finalizamos com a pegunta: afinal por que sabão limpa? Veja bem, sabão limpa desde que sua mãe lhe mandava lavar atrás das orelhas e lhe fiscalizava as unhas pra ver se você não tinha apenas lavado os pés pra voltar correndo para brincar no quintal, ou pros seus gibis, ou pro