Pular para o conteúdo principal

enquanto eu me perguntava o que será da minha vida

Senhora, estou com fome me diz uma boca desdentada. 
Uma face negra habitada por olhos desesperados.
Tiraram nossos doces. 

Eu estava na passarela do metro Maracanã. 
De longe vi duas pessoas abordando outras nas ruas. 
Dois seres invisíveis. 
Tão reais,daquela realidade doída, tão crua, tão humana que se prefere não ver.
Ignoramos para não sofrer. 
Sofrer o sofrimento do outro. 

Eu parei.

E ele agradeceu, agradeceu por ter ser escutado, ser visto. 
E essas pessoas falam. 
Todos queremos ser ouvidos, desejamos ser sentidos. 
E eu ali, escutava, sentia.

E doía, claro.

Ele falava na Dilma, no governo, no filho desaparecido, na mulher presa. 
Sonhava com uma casa, dessas do Minha Casa, Minha Vida e uma varanda pra ver o filho brincar. 
Dizia que não conseguia roubar, ia na Lagoa e não roubava pois sabia que existiam boas pessoas lá. 

Boas pessoas, más pessoas.

Enquanto o pêndulo balança de um lado para o outro estaremos em desigualdade. 
Ele falava da nossa diferença de cor, de classe social e eu sentia esse abismo entre nós.

Ele se desculpava por simplesmente ser. 
E eu sentia a culpa. 
Eu pedia perdão por existir. 

Mas como dizer pra ele que não tem governo, não tem Dilma, não tem programa.
Não tem absolutamente nada. 
?
Só esse encontro. Só esse momento. 
Ele me agradecia pelos trocados que eu tirei da carteira recheada de notas. 
E eu tirei uns trocados, aquelas que valiam menos. 

E fui embora.

Me despedi com ele me agradecendo, dizendo que gostaria de me dar algo em troca. 
Eu queria explicar que eu não dei nada, mas recebi tanto. 
Recebi um olhar, sua fala e presença.
Recebi a certeza que sou responsável pelo sofrimento deste mundo.

Você se foi, está na rua, hoje está chovendo. 

E eu aqui, num apartamento da Zona Sul, todas as minhas necessidades materiais satisfeitas e até muito mais. Eu possuo muito mais do que necessito e esses bens me possuem. 
Me possuem tanto que já não sou livre. 
Virei estátua. 
Seca, fria, sem vida no metrô do Maracanã. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

quando começa?

Por onde começar? Começa pelo começo grita o papagaio que mora na minha cabeça. Mas onde é o começo?, pergunto. E o papagaio se cala. Afinal, ele só sabe repetir um punhado de frases prontas. O papagaio aprendeu que tudo que tem um fim tem um começo. O papagaio sabe que aquilo que nasce está fadado à morte.  Mas será possível a existência de algo que não tenha fim nem começo? É nos possível capturar o primeiro instante do surgimento de algo?  O que é nascer, o que é morrer? O que é o começo, e o que é o fim? Estamos nos últimos dias do ano de 2016. O papagaio aprendeu que isso é o fim de um ciclo, e o início de outro. Entretanto, quando o papagaio despertar na manhã do novo dia, ele continuará sendo o mesmo velho papagaio repetidor de passados, repetidor dele mesmo.  Para o papagaio não há fim, e portanto não há começo.

Castanha do Brasil

Sabonete de Castanha do Brasil A fórmula desse sabão é desenvolvida a partir do nobre óleo de castanha do Brasil prensado à frio. São essas propriedades exclusivas desse óleo que garantirão um cuidado extra na pele, promovendo uma grande hidratação e uma limpeza suave. Definidos os óleos vegetais que constituem a massa base do sabão, é a hora daquele grande momento. Os aromas! Aquele perfume vindo diretamente da natureza fornecido pelo uso exclusivo de óleos essenciais puros. Elaborou-se uma sinergia composta de três óleos buscando um perfume refrescante e estimulante: alecrim, eucalipto e citronela apresentam a sua magia. Além das propriedades aromatológicas (o cheirinho encantador), esses óleos ainda nos trazem outros benefícios. Óleo Essencial de Alecrim : Comprovadamente antibacteriano, o óleo essencial de alecrim ajuda a controlar a caspa e prevenir a queda de cabelos, é um ótimo tônico capilar. Por conta das doses elevadas de cineol age como adstringente,

Eu sou um sujo espelho que reflete você.

Há algo em mim que não seja simples repetição? O que chamo de eu, é essa vida condicionada, esse amontoado de imagens projetadas. Todo o movimento é mecânico, não há nada novo, não há eu, sou, unicamente, um amontoado de gentes com suas esperanças, medos, desejos, vontades, prazeres. Sou um nada, uma nulidade, um zero. Nada há de novo aqui. J.Krishnamurti - 4º - Sobre a criação de imagens - "A Transformação Homem" Porque os seres humanos vivem da maneira que vivem? Pode o ser humano permanecer psicologicamente sozinho? A principal razão de os serem humanos não realizarem uma radical transformação é o medo de não serem parte de um grupo (sentido de pertencimento). K. diz que só a partir dessa solitude pode-se cooperar. Diz Bohm que antropólogos perceberam que nos povos primitivos o sentido de tribo era muito forte, existe a segurança psicológica de estar na tribo. Quando se é tirado do grupo, a pessoa se sente perdida, pois já não sabe quem é. A maior punição que u