Pular para o conteúdo principal

sobre a liberdade do não ser

Você é uma garrafa cheia de rótulos.
Teu conteúdo está etiquetado.
Você está preso.
Já esqueceu quem é. 
Acredita que os rótulos te definem.

Quando eu digo que sou, me aprisiono numa caixinha. 
Quando eu digo que gosto, perco toda a diversidade do não gosto.
É esse medo do desconhecido que me captura. 
Estou tão acostumada com minha gaiola que já não sei voar.

Não tem ninguém pra me cortar as asas, a gaiola eu mesma construo. 
A cada dia acrescento uma nova grade. 
E vai ficando apertado, vai ficando insuportável. 
E aí vem a tensão, vem a doença, vem o medo. 
Medo de perder, medo de deixar de ser.

E tudo isto por conta de um eu. 
Esse eu tantas vezes repetido, esse eu. 
Esse eu que não sou eu. 
É que eu não sou, entende? É que não existe eu. 
A vida é movimento, transformação constante. O
 corpo muda, os gostos mudam, os hábitos mudam, os pensamentos, amores... 
E o que sobra disso tudo? 
Se tudo é passageiro, o que sobra?

Hoje eu descobri que eu não sou. 
Simplesmente, não sou. 
Só estou. Estou isso, estou aquilo.
 Estou caminhando. 
Tudo é mutável. E eu também. 

Nessa qualidade de mutação, este eu rotulado se dilui.
 Abandono as etiquetas, algumas tão antigas que nem sei de onde vieram. 
Outras eu mesma colei. 
E assim criei uma identidade. 
Mas pra que tudo isso mesmo? 
Pra que definições? 

Eu quero é sair dessa caixinha, a vida é tão maior do que isso. 
Quero desfrutar de mares, oceanos e continentes. 
Tudo isso no momento presente. 
Sentindo a vida embaixo dos meus pés, pode ser na grama, no piso do apartamento, no ônibus ou no cimento.

E agora vem a pergunta: quem é o eu que quer se livrar do eu?
Sou o cachorro correndo atrás do próprio rabo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

quando começa?

Por onde começar? Começa pelo começo grita o papagaio que mora na minha cabeça. Mas onde é o começo?, pergunto. E o papagaio se cala. Afinal, ele só sabe repetir um punhado de frases prontas. O papagaio aprendeu que tudo que tem um fim tem um começo. O papagaio sabe que aquilo que nasce está fadado à morte.  Mas será possível a existência de algo que não tenha fim nem começo? É nos possível capturar o primeiro instante do surgimento de algo?  O que é nascer, o que é morrer? O que é o começo, e o que é o fim? Estamos nos últimos dias do ano de 2016. O papagaio aprendeu que isso é o fim de um ciclo, e o início de outro. Entretanto, quando o papagaio despertar na manhã do novo dia, ele continuará sendo o mesmo velho papagaio repetidor de passados, repetidor dele mesmo.  Para o papagaio não há fim, e portanto não há começo.

Castanha do Brasil

Sabonete de Castanha do Brasil A fórmula desse sabão é desenvolvida a partir do nobre óleo de castanha do Brasil prensado à frio. São essas propriedades exclusivas desse óleo que garantirão um cuidado extra na pele, promovendo uma grande hidratação e uma limpeza suave. Definidos os óleos vegetais que constituem a massa base do sabão, é a hora daquele grande momento. Os aromas! Aquele perfume vindo diretamente da natureza fornecido pelo uso exclusivo de óleos essenciais puros. Elaborou-se uma sinergia composta de três óleos buscando um perfume refrescante e estimulante: alecrim, eucalipto e citronela apresentam a sua magia. Além das propriedades aromatológicas (o cheirinho encantador), esses óleos ainda nos trazem outros benefícios. Óleo Essencial de Alecrim : Comprovadamente antibacteriano, o óleo essencial de alecrim ajuda a controlar a caspa e prevenir a queda de cabelos, é um ótimo tônico capilar. Por conta das doses elevadas de cineol age como adstringente,

Eu sou um sujo espelho que reflete você.

Há algo em mim que não seja simples repetição? O que chamo de eu, é essa vida condicionada, esse amontoado de imagens projetadas. Todo o movimento é mecânico, não há nada novo, não há eu, sou, unicamente, um amontoado de gentes com suas esperanças, medos, desejos, vontades, prazeres. Sou um nada, uma nulidade, um zero. Nada há de novo aqui. J.Krishnamurti - 4º - Sobre a criação de imagens - "A Transformação Homem" Porque os seres humanos vivem da maneira que vivem? Pode o ser humano permanecer psicologicamente sozinho? A principal razão de os serem humanos não realizarem uma radical transformação é o medo de não serem parte de um grupo (sentido de pertencimento). K. diz que só a partir dessa solitude pode-se cooperar. Diz Bohm que antropólogos perceberam que nos povos primitivos o sentido de tribo era muito forte, existe a segurança psicológica de estar na tribo. Quando se é tirado do grupo, a pessoa se sente perdida, pois já não sabe quem é. A maior punição que u