Pular para o conteúdo principal

das terceira tentativas

vim aqui pra escrever uma coisa, escrevi outra, escrevi uma quarta. será que agora me foco e vai?

claro.

pois bem, o que eu queria dizer quando me interrompi pela fala do vizinho eu já não lembro. mas vou achar, é só catar. vai parecer meio torto, nunca é a realidade dos fatos essa memória coletora.

pois então, eu contaria um relato. um flagrante a mãos armadas de um "eu" daqueles bem destrutivos. sabe aqueles eu que ninguém quer ser. por bem, "eu sou um deles".

aquele eu que pensa, sofre e justifica seu sofrimento a partir da atuação dos outros. o processo é tão real, tão normal que de fato, estou louca. louca para tudo o que já fui e pensei.

tudo começa com um incômodo. ele me olhou estranho. ele falou isso. e uma avalanche de histórias passam pela cabeça. não, elas não são agradáveis, mas envolvem momentos prazerosos quando eu finalmente me livrar daquele "ser".

ele é o meu algoz. ele me faz mal. estando longe dele estarei bem. farei isso e aquilo outro. isso tudo pode ocorrer num segundo e continuar martelando infinitamente por dias. tudo depende do meu processo de identificação?
estou dormindo, viro aquilo! pensei, achei que era realidade, me identifiquei, caí na armadilha.

quantas infinitas vezes "isto" já ocorreu na minha existência. quanto sono e sofrimento. sofrimento em mim, sofrimento nos outros.

quando caio na identificação, alimento a história mais e mais. é sem fim. até que explode, e eu explodo junto. assumo o meu papel de vítima, caio na mesma ladainha e, normalmente, graças a deus!, sou desmascarada. choro, me descontrolo e me envergonho. ao menos me envergonho. eu caí, sofri e fiz outro sofrer.

agora sinto que essas palavras são desnecessárias. espero poder usá-las com um aviso a mim mesma para não ser mais a vítima de mim.

eu procuro um porquê.

um deles é: me sinto especial e importante. quando algo é especial e importante ele pode ser usado. quem vai querer usar algo sem importância. mas se eu sou superior, se tenho algo a oferecer aos outros que eles não tem, esse meu algo pode ser roubado. pode ser o "meu dinheiro, a minha generosidade, o meu conhecimento".

dinheiro, generosidade, conhecimento essas coisas existem. sabe o que não existe? o meu, eu não possuo essas coisas, e por não possui-las nada pode me ser roubado.

eu não tenho um eu a ser ferido, magoado, insultado e por não tê-lo em nada posso me ferir.

viver assim é ser livre. eu ainda não estou lá, e você?
Descubro que não tem você nenhum além de mim mesma para responder a essa pergunta. Aguardo a resposta a partir da nossa evolução.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Introdução Pessoal (um par de frases)

Biografia (limite de 4000 caracteres) 4000 character limit to biography, four thousands characters to describe what Flavia has been done in the past three decades. 4000 characters, and now 169 already have gone, to make la grafia de la vida, the writing of some life, a escritura da vida. A part of course from all the eating, and breathing, and sleeping in bed, what else worthwile speaking about? Since those everyone have been doing, what's then that make Flavia special? What makes her deserve a second look? Don't you know that she asks herself this same question every morning? And, if you're sincere enought in yourself, wouldn't you ask yourself this same question? Or are we all still believing in the very special kids we are, so different from our classmates, that our mama and papa used to tell us? But then, my friend, perhaps you didn't experience this naive shock yet , the one that will shows you undoubtedly that we are not special at all and our biography

A Trajetória da Pregação

Embora gostemos de imaginar que não, todos vivemos através das nossas crenças. Claro que ler isso não será e não é suficiente para que a percepção desse fato lhe venha, ou, dizendo em outras palavras, para que lhe caía a ficha de que você é um crente. Sim, eu sei, é difícil, muito difícil de admitir, principalmente se você baseou toda a sua concepção de vida numa ideia "lógica, racional e cientificamente comprovada". Ou seja, se você lá nos seus primeiros passos refutou a concepção de vida que lhe era ensinada. Mas está é a história da Flávia.  A Flávia, muito certa de suas convicções, questionava os conceitos religiosos e morais do seu meio. Ou seja, ela reagiu aquilo imitando outros conceitos. Embora agrade a vaidade dela, não era nada novo, era apenas imitação. Como ainda continua sendo, mesmo que, repito, gostemos de pensar o oposto. O fato é que não fazemos nada de novo. E a Flávia, como representante da humanidade, trocou uma crença pela outra. Descartou

Eu tomo banho todo dia, mas sabão limpa mesmo por quê?

Você poderia esperar que este texto começasse de outra forma além dessa velha conhecida?: "Ah! Aquela deliciosa sensação de limpeza e frescor, você enrolada numa toalha felpuda pronta para um sono reparador agradecendo à querida saboeira pela trabalho primoroso de unir óleos, álcalis, óleos essenciais aromáticos, te fornecendo tudo isso numa barra de sabão, aquele sabonete que ocupa um espaço (espero) privilegiado no seu banheiro e que você mostra os dentes pro engraçadinho que se atreve a usá-lo sem a sua autorização prévia." Esse post é uma continuação desse  outro  onde foi explicado o que é, de fato, sabão. Mostramos do que ele é composto, como é formado, investigamos suas moléculas, e finalizamos com a pegunta: afinal por que sabão limpa? Veja bem, sabão limpa desde que sua mãe lhe mandava lavar atrás das orelhas e lhe fiscalizava as unhas pra ver se você não tinha apenas lavado os pés pra voltar correndo para brincar no quintal, ou pros seus gibis, ou pro