Pular para o conteúdo principal

essa é sem título

"tenho certeza que existe um nome bonito pra isso,
ou técnico, depende de como você interpreta esse bonito.
tenho certeza que alguém me diria,
e certeza de que foi alguma aula em que 'faltei'.
faltei para acumular"

normalmente, o que eu queria dizer eu já esqueci. eu já flui no fluxo contínuo dos meus pensamentos. as vezes, poucas vezes fluo no fluxo contínuo da vida. e aí me liberto um pouquinho de mim mesma. o complicado (ou o foda) é que normalmente eu me aprisiono novamente. como agora, escolhendo complicado ao invés de foda. como antes, tentando escrever algo e escrevendo outro e escrevendo outro e não aceitando nem esse outro, nem o fluir, nem o nada.

mas pois bem, a vida é assim e assim estou nesse momento. aprendendo.

e eu vim aqui pra dizer o que na postagem anterior eu não disse, pois minha atenção foi captada pelo vizinho. o vizinho da risada e do espirro. aquela fala me levou a outros questionamentos. eu tinha um pensamento e ele se perdeu na velocidade dos meus dedos. e as vezes eu deixo fluir, é mais gostoso do que forçar.

já te contei que nunca escrevi? duas horas empacada numa frase simplesmente porque ela não estava. "dentro dos padrões imaginários e reais", dentro da expectativa interna e externa. por isso é mais gostoso assim. algumas coisas na vida tem de ser gostosas. e eu gosto de gozar escrever. gozar ser. não faz muito sentido, nem pra mim. mas quando busco sentido e a coisa empaca.

ontem me falaram isso: você tem muitas perguntas. porque eu procuro tantos porques. nunca aprendi as regras dos porquês, gosto dos com acentos e juntos. deixa eu tentar lembrar da história da minha professora de português do colegial. mamãe e filhinho iam pruma festa, tava chovendo ou não tava? não lembro, sei que começava de um jeito, envolvia um filho sapeca e um guarda chuva. quando ele fazia festa estavam separados, quando chovia se grudavam e colocavam o guarda chuva.

"normalmente" eu procuraria a regra dos porquês, e esse parágrafo nunca existiria. normalmente, eu procuro fazer tudo direitinho e certinho. mas sai tudo do avesso, os meus certos e errados não estão certos.

eu ando descobrindo por aí que não existe certo e errado. e até aquelas coisas que eu tinha certeza. bem elas não estão tão certas assim. e dá um nó na cabeça. mas só quando eu procuro escutá-la. já disse pra não escutar a cabeça. ela fala demais, demasiado. e eu tento esvaziá-la. vai ver que é por aqui.

olha quanta coisa eu já escrevi. não tem o mínimo sentido, mas eu não ligo. ao menos esse eu que existiu há meio segundo. o outro que ta aqui agora até liga. e eu terceiro, podicrer vai achar uma bosta e querer deletar tudo. tem um quarto que acha que escrever bosta é nada aver. tem um quinto que acha legal. tem um sexto que quer corrigir tudo e colocar bonitinho pro meu professor de sociologia da faculdade aprovar.
e tem um sétimo que olha pra tudo isso. é desse que eu to afim de ser. afinal já descobri que não sou. já disse isso por aqui?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Introdução Pessoal (um par de frases)

Biografia (limite de 4000 caracteres) 4000 character limit to biography, four thousands characters to describe what Flavia has been done in the past three decades. 4000 characters, and now 169 already have gone, to make la grafia de la vida, the writing of some life, a escritura da vida. A part of course from all the eating, and breathing, and sleeping in bed, what else worthwile speaking about? Since those everyone have been doing, what's then that make Flavia special? What makes her deserve a second look? Don't you know that she asks herself this same question every morning? And, if you're sincere enought in yourself, wouldn't you ask yourself this same question? Or are we all still believing in the very special kids we are, so different from our classmates, that our mama and papa used to tell us? But then, my friend, perhaps you didn't experience this naive shock yet , the one that will shows you undoubtedly that we are not special at all and our biography

E o que é sabão mesmo, gente? Faltei a aula de Química, todas elas!

A criação sem sabão Se você e eu habitamos o mesmo planeta, ambos, como bons conhecedores dessa terra, sabemos que não existe árvore de sabão. E nem cachoeira, e nem montanhas, e nem hortinha, seja ela orgânica ou o temível, o bicho papão da nossa era, agronegócio. Isso, não significa, claro, para o bom homem capitalis que somos, que não inventamos uma forma de vender "sabão" (mesmo não o sendo) em larga escala e enriquecer nossos bolsos, figurativamente falando, pois hoje dinheiro é algo demodê, e sujo, muito sujo, nojento, infecto, afirma com convicção meu pai bancário aposentado. E convenhamos, ele tem a sua excelência no assunto. Na última, e primeira, viagem que fizemos juntos, deixou de comer um pastel de Belém, ressalto pastel de Belém de Portugal, em Portugal, pois, numa retrospectiva do seu dia, havia, em algum momento, algumas tantas horas antes, tocado em umas moedinhas. Dei-lhe na boca, e lhe omiti, obviamente, a minha própria culpa, pois sou uma boa filha,

Eu tomo banho todo dia, mas sabão limpa mesmo por quê?

Você poderia esperar que este texto começasse de outra forma além dessa velha conhecida?: "Ah! Aquela deliciosa sensação de limpeza e frescor, você enrolada numa toalha felpuda pronta para um sono reparador agradecendo à querida saboeira pela trabalho primoroso de unir óleos, álcalis, óleos essenciais aromáticos, te fornecendo tudo isso numa barra de sabão, aquele sabonete que ocupa um espaço (espero) privilegiado no seu banheiro e que você mostra os dentes pro engraçadinho que se atreve a usá-lo sem a sua autorização prévia." Esse post é uma continuação desse  outro  onde foi explicado o que é, de fato, sabão. Mostramos do que ele é composto, como é formado, investigamos suas moléculas, e finalizamos com a pegunta: afinal por que sabão limpa? Veja bem, sabão limpa desde que sua mãe lhe mandava lavar atrás das orelhas e lhe fiscalizava as unhas pra ver se você não tinha apenas lavado os pés pra voltar correndo para brincar no quintal, ou pros seus gibis, ou pro