Pular para o conteúdo principal

Sobre soda, sabão e ignorância.

Frutos da Saponária
Há muito tempo atrás, muito tempo considerando o ponto de vista de quem vos escreve, estive em relação com uma planta chamada Sapindus saponaria. Fazia parte das alternativas ao uso de detergentes de lavar roupa (sim queridos amigos, a grande maioria dos produtos disponíveis no mercado são detergentes, mas conversamos sobre isso em outro momento). E, como vivemos num período de diminuição das fronteiras “virtuais”, deparei-me com o uso do seu fruto nas máquinas de lavar roupas européias. Recomendava-se colocar algumas dessas bolinhas num saquinho, usar a máquina de água quente e pronto! Maravilha das maravilhas! Quem diria. Toda empolgada, achei que tinha inventado sei lá, o pastel de carne moída. Qual foi a minha decepção, decepção digamos pra minha vaidade, ao descobrir que vivi boa parte da minha vida vizinha de uma árvore dessas; resumindo, tinha no quintal da minha mãe. Ela conhecia como sabão de macaco, coisa de infância ela dizia, e, diante do chão do quintal recheado de bolinhas, fomos experimentar. Afinal, isso faz espuma mesmo? Sim, faz! Ela contem saponinas que são responsáveis pela formação de espuma. A árvore, aliás, é amplamente utilizada na medicina popular.

Espumando
Mas eu queria era “fazer sabão”, ou melhor, encontrar uma alternativa aos produtos que usava em casa. Munida de muitos dos seus frutos, fui à casa de um amigo para preparar a receita. Tão complicada que necessitava de um “amigo”: bastava ferver as sementes em água. Fervemos, fervemos, espumou e aquela água foi devidamente armazenada. Foi quando, e aqui entra o ápice do enredo, fui apresentada à mãe do tal amigo. Esta contou-me que fazia sabão de abacate com uma amiga quando suas árvores produziam abacates pra dar, vender e fazer sabão. Sabão com soda cáustica, ela me disse. Essa palavra, soada assim nos meus ouvidos, e associada com tudo aquilo que tinha gravado sobre a tal, provocou um choque. Que absurdo!, eu pensei. E, provavelmente, expressei, não com palavras, talvez, mas com uma contração incontrolável de todo o corpo. Na época eu não sabia, e só vim saber (compreender e aceitar) uns bons tempos depois que sabão se faz com soda. E não, não tem outro jeito. Não tem maneira, não é melhor o glicerinado, sabão que é sabão é feito com um composto alcalino seja ele hidróxido de sódio ou potassa cáustica.

Habitaram meu banheiro até
perderem o cheiro
Portanto, é através da memória da experiência da minha própria ignorância que sou capaz de me colocar no lugar do outro e compreender o choque, o horror, o espanto, a aversão, a completa negação quando se é dito que se faz sabão com soda. E o surpreendente, e, talvez não seja tão surpreendente assim, se pararmos para observar como vivemos, é que usamos sabão desde que bem, desde o primeiro banho, ou o segundo, se é que vocês me entendem. Sabonete em barra, sabonete líquido, sabonete de glicerina, xampu, lava louças, sabão de coco, sabão em pó, sabão líquido e os sabões decorados do Snoopy que enfeitavam o meu banheiro, são todos, na melhor das hipóteses, feitos dessa forma. Na melhor, porque na pior e mais frequente, são produtos recheados de componentes sintéticos deveras horripilantes para serem nomeados. Ou, digamos de outra forma, vou estudar e escrever melhor sobre cada um deles num próximo post, ou vários deles.

A boa notícia é que hoje superei meu medo de sabão de abacate. E para minha própria surpresa, acabo de lembrar que há alguns dias fiz um sabão de abacate, extremamente hidratante, que está esperando para ser cortado. Prometo fotos, bolhas e banho. E quem sabe uma mãe de amigo receberá, finalmente, seu merecido pedido de desculpas. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Introdução Pessoal (um par de frases)

Biografia (limite de 4000 caracteres) 4000 character limit to biography, four thousands characters to describe what Flavia has been done in the past three decades. 4000 characters, and now 169 already have gone, to make la grafia de la vida, the writing of some life, a escritura da vida. A part of course from all the eating, and breathing, and sleeping in bed, what else worthwile speaking about? Since those everyone have been doing, what's then that make Flavia special? What makes her deserve a second look? Don't you know that she asks herself this same question every morning? And, if you're sincere enought in yourself, wouldn't you ask yourself this same question? Or are we all still believing in the very special kids we are, so different from our classmates, that our mama and papa used to tell us? But then, my friend, perhaps you didn't experience this naive shock yet , the one that will shows you undoubtedly that we are not special at all and our biography

A Trajetória da Pregação

Embora gostemos de imaginar que não, todos vivemos através das nossas crenças. Claro que ler isso não será e não é suficiente para que a percepção desse fato lhe venha, ou, dizendo em outras palavras, para que lhe caía a ficha de que você é um crente. Sim, eu sei, é difícil, muito difícil de admitir, principalmente se você baseou toda a sua concepção de vida numa ideia "lógica, racional e cientificamente comprovada". Ou seja, se você lá nos seus primeiros passos refutou a concepção de vida que lhe era ensinada. Mas está é a história da Flávia.  A Flávia, muito certa de suas convicções, questionava os conceitos religiosos e morais do seu meio. Ou seja, ela reagiu aquilo imitando outros conceitos. Embora agrade a vaidade dela, não era nada novo, era apenas imitação. Como ainda continua sendo, mesmo que, repito, gostemos de pensar o oposto. O fato é que não fazemos nada de novo. E a Flávia, como representante da humanidade, trocou uma crença pela outra. Descartou

Eu tomo banho todo dia, mas sabão limpa mesmo por quê?

Você poderia esperar que este texto começasse de outra forma além dessa velha conhecida?: "Ah! Aquela deliciosa sensação de limpeza e frescor, você enrolada numa toalha felpuda pronta para um sono reparador agradecendo à querida saboeira pela trabalho primoroso de unir óleos, álcalis, óleos essenciais aromáticos, te fornecendo tudo isso numa barra de sabão, aquele sabonete que ocupa um espaço (espero) privilegiado no seu banheiro e que você mostra os dentes pro engraçadinho que se atreve a usá-lo sem a sua autorização prévia." Esse post é uma continuação desse  outro  onde foi explicado o que é, de fato, sabão. Mostramos do que ele é composto, como é formado, investigamos suas moléculas, e finalizamos com a pegunta: afinal por que sabão limpa? Veja bem, sabão limpa desde que sua mãe lhe mandava lavar atrás das orelhas e lhe fiscalizava as unhas pra ver se você não tinha apenas lavado os pés pra voltar correndo para brincar no quintal, ou pros seus gibis, ou pro