Pular para o conteúdo principal

Sobre soda, sabão e ignorância.

Frutos da Saponária
Há muito tempo atrás, muito tempo considerando o ponto de vista de quem vos escreve, estive em relação com uma planta chamada Sapindus saponaria. Fazia parte das alternativas ao uso de detergentes de lavar roupa (sim queridos amigos, a grande maioria dos produtos disponíveis no mercado são detergentes, mas conversamos sobre isso em outro momento). E, como vivemos num período de diminuição das fronteiras “virtuais”, deparei-me com o uso do seu fruto nas máquinas de lavar roupas européias. Recomendava-se colocar algumas dessas bolinhas num saquinho, usar a máquina de água quente e pronto! Maravilha das maravilhas! Quem diria. Toda empolgada, achei que tinha inventado sei lá, o pastel de carne moída. Qual foi a minha decepção, decepção digamos pra minha vaidade, ao descobrir que vivi boa parte da minha vida vizinha de uma árvore dessas; resumindo, tinha no quintal da minha mãe. Ela conhecia como sabão de macaco, coisa de infância ela dizia, e, diante do chão do quintal recheado de bolinhas, fomos experimentar. Afinal, isso faz espuma mesmo? Sim, faz! Ela contem saponinas que são responsáveis pela formação de espuma. A árvore, aliás, é amplamente utilizada na medicina popular.

Espumando
Mas eu queria era “fazer sabão”, ou melhor, encontrar uma alternativa aos produtos que usava em casa. Munida de muitos dos seus frutos, fui à casa de um amigo para preparar a receita. Tão complicada que necessitava de um “amigo”: bastava ferver as sementes em água. Fervemos, fervemos, espumou e aquela água foi devidamente armazenada. Foi quando, e aqui entra o ápice do enredo, fui apresentada à mãe do tal amigo. Esta contou-me que fazia sabão de abacate com uma amiga quando suas árvores produziam abacates pra dar, vender e fazer sabão. Sabão com soda cáustica, ela me disse. Essa palavra, soada assim nos meus ouvidos, e associada com tudo aquilo que tinha gravado sobre a tal, provocou um choque. Que absurdo!, eu pensei. E, provavelmente, expressei, não com palavras, talvez, mas com uma contração incontrolável de todo o corpo. Na época eu não sabia, e só vim saber (compreender e aceitar) uns bons tempos depois que sabão se faz com soda. E não, não tem outro jeito. Não tem maneira, não é melhor o glicerinado, sabão que é sabão é feito com um composto alcalino seja ele hidróxido de sódio ou potassa cáustica.

Habitaram meu banheiro até
perderem o cheiro
Portanto, é através da memória da experiência da minha própria ignorância que sou capaz de me colocar no lugar do outro e compreender o choque, o horror, o espanto, a aversão, a completa negação quando se é dito que se faz sabão com soda. E o surpreendente, e, talvez não seja tão surpreendente assim, se pararmos para observar como vivemos, é que usamos sabão desde que bem, desde o primeiro banho, ou o segundo, se é que vocês me entendem. Sabonete em barra, sabonete líquido, sabonete de glicerina, xampu, lava louças, sabão de coco, sabão em pó, sabão líquido e os sabões decorados do Snoopy que enfeitavam o meu banheiro, são todos, na melhor das hipóteses, feitos dessa forma. Na melhor, porque na pior e mais frequente, são produtos recheados de componentes sintéticos deveras horripilantes para serem nomeados. Ou, digamos de outra forma, vou estudar e escrever melhor sobre cada um deles num próximo post, ou vários deles.

A boa notícia é que hoje superei meu medo de sabão de abacate. E para minha própria surpresa, acabo de lembrar que há alguns dias fiz um sabão de abacate, extremamente hidratante, que está esperando para ser cortado. Prometo fotos, bolhas e banho. E quem sabe uma mãe de amigo receberá, finalmente, seu merecido pedido de desculpas. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

quando começa?

Por onde começar? Começa pelo começo grita o papagaio que mora na minha cabeça. Mas onde é o começo?, pergunto. E o papagaio se cala. Afinal, ele só sabe repetir um punhado de frases prontas. O papagaio aprendeu que tudo que tem um fim tem um começo. O papagaio sabe que aquilo que nasce está fadado à morte.  Mas será possível a existência de algo que não tenha fim nem começo? É nos possível capturar o primeiro instante do surgimento de algo?  O que é nascer, o que é morrer? O que é o começo, e o que é o fim? Estamos nos últimos dias do ano de 2016. O papagaio aprendeu que isso é o fim de um ciclo, e o início de outro. Entretanto, quando o papagaio despertar na manhã do novo dia, ele continuará sendo o mesmo velho papagaio repetidor de passados, repetidor dele mesmo.  Para o papagaio não há fim, e portanto não há começo.

Castanha do Brasil

Sabonete de Castanha do Brasil A fórmula desse sabão é desenvolvida a partir do nobre óleo de castanha do Brasil prensado à frio. São essas propriedades exclusivas desse óleo que garantirão um cuidado extra na pele, promovendo uma grande hidratação e uma limpeza suave. Definidos os óleos vegetais que constituem a massa base do sabão, é a hora daquele grande momento. Os aromas! Aquele perfume vindo diretamente da natureza fornecido pelo uso exclusivo de óleos essenciais puros. Elaborou-se uma sinergia composta de três óleos buscando um perfume refrescante e estimulante: alecrim, eucalipto e citronela apresentam a sua magia. Além das propriedades aromatológicas (o cheirinho encantador), esses óleos ainda nos trazem outros benefícios. Óleo Essencial de Alecrim : Comprovadamente antibacteriano, o óleo essencial de alecrim ajuda a controlar a caspa e prevenir a queda de cabelos, é um ótimo tônico capilar. Por conta das doses elevadas de cineol age como adstringente,

Eu sou um sujo espelho que reflete você.

Há algo em mim que não seja simples repetição? O que chamo de eu, é essa vida condicionada, esse amontoado de imagens projetadas. Todo o movimento é mecânico, não há nada novo, não há eu, sou, unicamente, um amontoado de gentes com suas esperanças, medos, desejos, vontades, prazeres. Sou um nada, uma nulidade, um zero. Nada há de novo aqui. J.Krishnamurti - 4º - Sobre a criação de imagens - "A Transformação Homem" Porque os seres humanos vivem da maneira que vivem? Pode o ser humano permanecer psicologicamente sozinho? A principal razão de os serem humanos não realizarem uma radical transformação é o medo de não serem parte de um grupo (sentido de pertencimento). K. diz que só a partir dessa solitude pode-se cooperar. Diz Bohm que antropólogos perceberam que nos povos primitivos o sentido de tribo era muito forte, existe a segurança psicológica de estar na tribo. Quando se é tirado do grupo, a pessoa se sente perdida, pois já não sabe quem é. A maior punição que u