Pular para o conteúdo principal

Sobre comida, alimento e amigos

Coagem do Suco de Clorofila
Quando a Flávia tinha lá seus 20 anos, ela cozinhou uma refeição para um par de amigos. Naquela época cozinhar significava seguir as instruções de um rótulo e aquecer um molho de tomate de caixinha. O resultado?, bem, o resultado feriu o orgulho e a vaidade da Flávia. Mas não perdi o amigo, ainda até tenho ele no Facebook, por mais surpreendente que isso possa ser. A Flávia ainda lembra de ligar para a mãe perguntando como se preparava arroz (naquela época internet só depois da meia noite). A mãe, pacientemente, respondia, e também pagava a conta de telefone, muito resignadamente, pode-se dizer. O cardápio consistia em cachorro quente, sopa de ervilha, miojo, pizza, refrigerante e muitos salgadinhos do China, novidade então. O resultado, digamos, o resultado exterior se apresentava em 86 quilos distribuídos de forma não homogênea. E sabe-se lá quais eram (e são) os resultados interiores. 

Broa de Milho
Seria muito agradável pra Flávia dizer que queria emagrecer por razões de saúde, ecológicas, sustentáveis. Mas isso não era moda na época. A Flávia queria emagrecer pelas razões mais básicas, aquelas que escondemos de nós mesmos, para se sentir atraente, ou seja, para ter a atenção daqueles corpos atraentes que não olhavam para ela, porque, veja bem, a Flávia não habitava um corpo atraente. Deixarei de lado a discussão sobre padrão de beleza, regulação de corpos, feminismo, magreza, entre outros, já esgotei meus discursos sobre isso e todos, principalmente minha família, amigos e namorados, foram exauridos. 

Emagreceu tomando remédios, os "tarja preta" pouco controlados na época, e receitados por médicos. Depois engordou novamente, e emagreceu, e engordou, o tal chamado efeito sanfona, que embora não soe como uma sanfona, tem lá sua cantoria própria em forma de choro, gemido, gritos e lamuriações.

Barquinhas com queijo de sementes
Mas eis que, num momento dessa trajetória surgiu a tal da onda verde, chamaremo-la assim, e espero, leitor que com esse termo possa apontar para o que se trata. Dedicou-se em pesquisar sobre os alimentos e as mudanças começaram. A princípio substitui a coca comum pela coca zero (era novidade na época), aí preparava-se os próprios hambúrgueres em casa, assava ao invés de fritar, um arroz integral (de saquinho)... E a coisa continuou, e continua, espera-se, enquanto estivermos vivas. Depois veio um momento de toda uma nova onda, mais verde, mais viva: sem animais, orgânica, e até mesmo, viva. Foi através da Alimentação Viva que aprendeu a fazer os brotos de girassol, e muitas outras coisas. Deixe-me nomeá-las, porque é divertido: suco de clorofila, bebidas fermentadas, sementes germinadas, queijos de sementes, tortas doces...

Torre de Cogumelos, Nozes e Azuki
A Flávia aprendeu um monte e disse a si mesma, várias vezes, que só iria comer vivo, e comer vivo significa não se alimentar de nada cozido (que ultrapasse a temperatura de 42º de forma a preservar as enzimas dos alimentos). Ela nunca passou de uma semana. Podemos ver isso como uma derrota (adoramos nos lamuriar), ou podemos ver isso como o fato que é. E o fato é que se adquiriu uma quantidade considerável de conhecimento e experiência e prática e, que me julguem os deuses, um certo equilíbrio na alimentação.
Pizza Viva de Sementes Germinadas

Talvez o real motivo desse post seja compartilhar esses belos pratos e dar expressão à uma mente falante. Claro que não tenho fotos do primeiro nhoque com o qual intoxiquei meus amigos. Mas tenho um agradecimento especial pra querida amiga que me proporcionou a oportunidade de produzir umas das refeições mais belas, gostosas e vivas dessa trajetória. E ainda uma outra que me ofertou tão belas fotos. E todos aqueles com quem compartilhei um tanto das, múltiplas, experiências de se comer e de se alimentar. Há uma real sutileza que marca a diferença entre os dois.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Introdução Pessoal (um par de frases)

Biografia (limite de 4000 caracteres) 4000 character limit to biography, four thousands characters to describe what Flavia has been done in the past three decades. 4000 characters, and now 169 already have gone, to make la grafia de la vida, the writing of some life, a escritura da vida. A part of course from all the eating, and breathing, and sleeping in bed, what else worthwile speaking about? Since those everyone have been doing, what's then that make Flavia special? What makes her deserve a second look? Don't you know that she asks herself this same question every morning? And, if you're sincere enought in yourself, wouldn't you ask yourself this same question? Or are we all still believing in the very special kids we are, so different from our classmates, that our mama and papa used to tell us? But then, my friend, perhaps you didn't experience this naive shock yet , the one that will shows you undoubtedly that we are not special at all and our biography

A Trajetória da Pregação

Embora gostemos de imaginar que não, todos vivemos através das nossas crenças. Claro que ler isso não será e não é suficiente para que a percepção desse fato lhe venha, ou, dizendo em outras palavras, para que lhe caía a ficha de que você é um crente. Sim, eu sei, é difícil, muito difícil de admitir, principalmente se você baseou toda a sua concepção de vida numa ideia "lógica, racional e cientificamente comprovada". Ou seja, se você lá nos seus primeiros passos refutou a concepção de vida que lhe era ensinada. Mas está é a história da Flávia.  A Flávia, muito certa de suas convicções, questionava os conceitos religiosos e morais do seu meio. Ou seja, ela reagiu aquilo imitando outros conceitos. Embora agrade a vaidade dela, não era nada novo, era apenas imitação. Como ainda continua sendo, mesmo que, repito, gostemos de pensar o oposto. O fato é que não fazemos nada de novo. E a Flávia, como representante da humanidade, trocou uma crença pela outra. Descartou

Eu tomo banho todo dia, mas sabão limpa mesmo por quê?

Você poderia esperar que este texto começasse de outra forma além dessa velha conhecida?: "Ah! Aquela deliciosa sensação de limpeza e frescor, você enrolada numa toalha felpuda pronta para um sono reparador agradecendo à querida saboeira pela trabalho primoroso de unir óleos, álcalis, óleos essenciais aromáticos, te fornecendo tudo isso numa barra de sabão, aquele sabonete que ocupa um espaço (espero) privilegiado no seu banheiro e que você mostra os dentes pro engraçadinho que se atreve a usá-lo sem a sua autorização prévia." Esse post é uma continuação desse  outro  onde foi explicado o que é, de fato, sabão. Mostramos do que ele é composto, como é formado, investigamos suas moléculas, e finalizamos com a pegunta: afinal por que sabão limpa? Veja bem, sabão limpa desde que sua mãe lhe mandava lavar atrás das orelhas e lhe fiscalizava as unhas pra ver se você não tinha apenas lavado os pés pra voltar correndo para brincar no quintal, ou pros seus gibis, ou pro