Pular para o conteúdo principal

Sobre comida, alimento e amigos

Coagem do Suco de Clorofila
Quando a Flávia tinha lá seus 20 anos, ela cozinhou uma refeição para um par de amigos. Naquela época cozinhar significava seguir as instruções de um rótulo e aquecer um molho de tomate de caixinha. O resultado?, bem, o resultado feriu o orgulho e a vaidade da Flávia. Mas não perdi o amigo, ainda até tenho ele no Facebook, por mais surpreendente que isso possa ser. A Flávia ainda lembra de ligar para a mãe perguntando como se preparava arroz (naquela época internet só depois da meia noite). A mãe, pacientemente, respondia, e também pagava a conta de telefone, muito resignadamente, pode-se dizer. O cardápio consistia em cachorro quente, sopa de ervilha, miojo, pizza, refrigerante e muitos salgadinhos do China, novidade então. O resultado, digamos, o resultado exterior se apresentava em 86 quilos distribuídos de forma não homogênea. E sabe-se lá quais eram (e são) os resultados interiores. 

Broa de Milho
Seria muito agradável pra Flávia dizer que queria emagrecer por razões de saúde, ecológicas, sustentáveis. Mas isso não era moda na época. A Flávia queria emagrecer pelas razões mais básicas, aquelas que escondemos de nós mesmos, para se sentir atraente, ou seja, para ter a atenção daqueles corpos atraentes que não olhavam para ela, porque, veja bem, a Flávia não habitava um corpo atraente. Deixarei de lado a discussão sobre padrão de beleza, regulação de corpos, feminismo, magreza, entre outros, já esgotei meus discursos sobre isso e todos, principalmente minha família, amigos e namorados, foram exauridos. 

Emagreceu tomando remédios, os "tarja preta" pouco controlados na época, e receitados por médicos. Depois engordou novamente, e emagreceu, e engordou, o tal chamado efeito sanfona, que embora não soe como uma sanfona, tem lá sua cantoria própria em forma de choro, gemido, gritos e lamuriações.

Barquinhas com queijo de sementes
Mas eis que, num momento dessa trajetória surgiu a tal da onda verde, chamaremo-la assim, e espero, leitor que com esse termo possa apontar para o que se trata. Dedicou-se em pesquisar sobre os alimentos e as mudanças começaram. A princípio substitui a coca comum pela coca zero (era novidade na época), aí preparava-se os próprios hambúrgueres em casa, assava ao invés de fritar, um arroz integral (de saquinho)... E a coisa continuou, e continua, espera-se, enquanto estivermos vivas. Depois veio um momento de toda uma nova onda, mais verde, mais viva: sem animais, orgânica, e até mesmo, viva. Foi através da Alimentação Viva que aprendeu a fazer os brotos de girassol, e muitas outras coisas. Deixe-me nomeá-las, porque é divertido: suco de clorofila, bebidas fermentadas, sementes germinadas, queijos de sementes, tortas doces...

Torre de Cogumelos, Nozes e Azuki
A Flávia aprendeu um monte e disse a si mesma, várias vezes, que só iria comer vivo, e comer vivo significa não se alimentar de nada cozido (que ultrapasse a temperatura de 42º de forma a preservar as enzimas dos alimentos). Ela nunca passou de uma semana. Podemos ver isso como uma derrota (adoramos nos lamuriar), ou podemos ver isso como o fato que é. E o fato é que se adquiriu uma quantidade considerável de conhecimento e experiência e prática e, que me julguem os deuses, um certo equilíbrio na alimentação.
Pizza Viva de Sementes Germinadas

Talvez o real motivo desse post seja compartilhar esses belos pratos e dar expressão à uma mente falante. Claro que não tenho fotos do primeiro nhoque com o qual intoxiquei meus amigos. Mas tenho um agradecimento especial pra querida amiga que me proporcionou a oportunidade de produzir umas das refeições mais belas, gostosas e vivas dessa trajetória. E ainda uma outra que me ofertou tão belas fotos. E todos aqueles com quem compartilhei um tanto das, múltiplas, experiências de se comer e de se alimentar. Há uma real sutileza que marca a diferença entre os dois.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

quando começa?

Por onde começar? Começa pelo começo grita o papagaio que mora na minha cabeça. Mas onde é o começo?, pergunto. E o papagaio se cala. Afinal, ele só sabe repetir um punhado de frases prontas. O papagaio aprendeu que tudo que tem um fim tem um começo. O papagaio sabe que aquilo que nasce está fadado à morte.  Mas será possível a existência de algo que não tenha fim nem começo? É nos possível capturar o primeiro instante do surgimento de algo?  O que é nascer, o que é morrer? O que é o começo, e o que é o fim? Estamos nos últimos dias do ano de 2016. O papagaio aprendeu que isso é o fim de um ciclo, e o início de outro. Entretanto, quando o papagaio despertar na manhã do novo dia, ele continuará sendo o mesmo velho papagaio repetidor de passados, repetidor dele mesmo.  Para o papagaio não há fim, e portanto não há começo.

Castanha do Brasil

Sabonete de Castanha do Brasil A fórmula desse sabão é desenvolvida a partir do nobre óleo de castanha do Brasil prensado à frio. São essas propriedades exclusivas desse óleo que garantirão um cuidado extra na pele, promovendo uma grande hidratação e uma limpeza suave. Definidos os óleos vegetais que constituem a massa base do sabão, é a hora daquele grande momento. Os aromas! Aquele perfume vindo diretamente da natureza fornecido pelo uso exclusivo de óleos essenciais puros. Elaborou-se uma sinergia composta de três óleos buscando um perfume refrescante e estimulante: alecrim, eucalipto e citronela apresentam a sua magia. Além das propriedades aromatológicas (o cheirinho encantador), esses óleos ainda nos trazem outros benefícios. Óleo Essencial de Alecrim : Comprovadamente antibacteriano, o óleo essencial de alecrim ajuda a controlar a caspa e prevenir a queda de cabelos, é um ótimo tônico capilar. Por conta das doses elevadas de cineol age como adstringente,

Eu sou um sujo espelho que reflete você.

Há algo em mim que não seja simples repetição? O que chamo de eu, é essa vida condicionada, esse amontoado de imagens projetadas. Todo o movimento é mecânico, não há nada novo, não há eu, sou, unicamente, um amontoado de gentes com suas esperanças, medos, desejos, vontades, prazeres. Sou um nada, uma nulidade, um zero. Nada há de novo aqui. J.Krishnamurti - 4º - Sobre a criação de imagens - "A Transformação Homem" Porque os seres humanos vivem da maneira que vivem? Pode o ser humano permanecer psicologicamente sozinho? A principal razão de os serem humanos não realizarem uma radical transformação é o medo de não serem parte de um grupo (sentido de pertencimento). K. diz que só a partir dessa solitude pode-se cooperar. Diz Bohm que antropólogos perceberam que nos povos primitivos o sentido de tribo era muito forte, existe a segurança psicológica de estar na tribo. Quando se é tirado do grupo, a pessoa se sente perdida, pois já não sabe quem é. A maior punição que u